Cookies help us deliver our services. By using our services, you agree to our use of cookies. Learn more
NEWS
Estudo para Astronautas dá voz a pessoas com deficiência
04
APR
2017
Show_prototype_testing
Photo by LusoVu

Quando o seu pai foi diagnosticado com uma doença debilitante, há quatro anos atrás, suscitou em Ivo Vieira uma vontade de desenvolver um novo meio de comunicação para as pessoas que lidam com limitações extremas, elaborando a partir de uma tecnologia originalmente explorada para ajudar os astronautas da ESA no espaço.

A esclerose lateral amiotrófica - ELA - e outras formas de doenças neuronais motoras, “roubam” de forma progressiva os que sofrem desta doença da sua função muscular, incluindo a capacidade de comunicar verbalmente. No entanto, o movimento do olho apresenta uma oportunidade porque geralmente permanece ileso.

“Trabalhávamos na realidade aumentada para os astronautas desde 2005; então, quando o meu pai foi diagnosticado, eu tive a ideia de explorá-la para melhorar a sua qualidade de vida com um novo sistema de comunicação móvel”, disse Ivo Vieira, CEO da LusoSpace.
Esta aplicação da ESA levou a LusoSpace a produzir o seu primeiro par de óculos de realidade aumentada em 2008 e, em seguida, a criar a empresa LusoVu para desenvolvê-los para os deficientes.

Os óculos EyeSpeak detetam o movimento dos olhos através de um teclado virtual exibido no interior das suas lentes. As palavras e as frases soletradas pelo usuário são traduzidas pelo programa informático incorporado e faladas por alto-falantes num braço.

Os óculos também permitem que o usuário navegue na Internet, assista a vídeos e aceda a correios eletrónicos de forma privada, já que apenas o usuário vê o que está a ser projetado dentro da lente. No entanto, como a informação digital é sobreposta na lente, os usuários ainda podem ver o que está a acontecer ao seu redor.
“Este é o primeiro dispositivo que é autónomo e pode ser usado em qualquer posição física e localização, independentemente da orientação da cabeça do usuário”, observou Teresa Nicolau, especialista EyeSpeak.

Ferramentas de visualização para astronautas
O EyeSpeak é um spin-off direto do trabalho que a LusoSpace desenvolveu para um estudo da ESA sobre ferramentas de visualização para astronautas.

“Naquela época, os astronautas tinham apenas sistemas relativamente rudimentares disponíveis durante as caminhadas espaciais, com uma lista de verificação escrita no braço e comunicações de voz com controladores terrestres”, explicou João Pereira do Carmo da ESA.

“Queríamos explorar as muitas tecnologias disponíveis que poderiam ser usadas para fornecer informações importantes e em tempo real, diretamente no seu campo de visão.”

Ajuda a pessoas com limitações extremas de mobilidade e comunicação
Os desenvolvimentos iniciais da tecnologia foram seguidos por uma campanha Kickstarter em 2014, que resultou em 45 unidades do protótipo EyeSpeak em 2015. O atual EyeSpeak 1, que foi colocado à venda em março de 2016, é baseado num par de óculos Epson BT-200 AR com uma unidade complementar de um microfone, alto-falantes e uma pequena câmara controlada por uma unidade microprocessadora. Vem com uma voz-padrão sintetizada ou a voz do proprietário com base em gravações feitas anteriormente.

“Tudo sobre o desenvolvimento do EyeSpeak foi um desafio”, relatou Teresa. “Uma parte importante foi garantir que a configuração inicial não era perdida, por isso foi especialmente concebido para ficar fixo na cabeça do usuário, permitindo-lhe usá-lo de forma independente de imediato, assim que alguém o coloque e o ligue.

“Também era importante que pudesse ser usado em qualquer condição de iluminação, incluindo no exterior e próximo de janelas, por isso temos lentes de filtro opcionais que podem ser adicionadas, bem como um suporte para lentes corretivas.”

Normalmente, demora duas semanas para aprender o sistema quando se pratica durante uma hora por dia. Um usuário disse que o sistema oferece “autonomia e alegria”. Um porta-voz da ELA observou que “dá de volta às pessoas a sua independência e o seu direito humano de se comunicar livremente.”

Sobre potenciais atualizações, Nicolau acrescenta: “Podemos desenvolvê-lo para permitir aos usuários controlar a sua cadeira de rodas e outras coisas ao seu redor, como o ar condicionado ou o seu televisor.”

“Temos vindo a trabalhar com a LusoSpace e a LusoVu através da Iniciativa Nacional de Transferência de Tecnologia em Portugal, para explorar os mercados a jusante das tecnologias de sistemas de visualização, como monitores montados na cabeça”, explicou Carlos Cerqueira, diretor de inovação da IPN Portugal, parte da rede de programas de transferência de tecnologia da ESA, ajudando as empresas a desenvolver tecnologia espacial.

“O potencial para esta tecnologia é enorme. Uma ideia é para armazéns de logística, onde monitores montados na cabeça melhorariam substancialmente a produtividade dos trabalhadores no processo de seleção.

“Mas o EyeSpeak, com o impacto que tem sobre as vidas humanas, é provavelmente o mais importante de todos.”

A realidade aumentada ainda não é usada pelos astronautas, mas o seu estudo inspirou diretamente o desenvolvimento do EyeSpeak.

“Tudo o que a LusoVu está a fazer começou a partir desse projeto original da ESA”, sublinha Rui Semide, da LusoVu.

“As nossas aplicações são muito diferentes, mas tudo começou com aquele estudo inicial da ESA sobre ferramentas de visualização de informação para os astronautas, o que nos tornou conscientes do potencial desta tecnologia.”

Credits: European Space Agency (http://www.esa.int/por/ESA_in_your_country/Portugal/Estudo_para_astronautas_da_voz_a_pessoas_com_deficiencia)